Pesquisar
Português
Português
Login Account
Login / Registre-se Account
Websites

Women in Open Source Award 2020

Prestigiar. Celebrar. Inspirar.

Acreditamos que o open source é o futuro da tecnologia. Chegou a hora de reconhecer as mulheres e suas contribuições para open source e de inspirar uma nova geração a participar desse movimento.

Visão geral

É com orgulho que a Red Hat homenageia as vencedoras do Women in Open Source Award 2020

Agradecemos pelas indicações para o Women in Open Source Award 2020. Os juízes escolheram duas vencedoras e oito finalistas, reconhecendo um total de 10 mulheres. Continue lendo saber mais sobre elas e suas contribuições para o open source.

Vencedoras e finalistas de 2020

Parabéns, Megan Byrd-Sanicki e Netha Hussain

Megan Byrd-Sanicki, gerente de pesquisa e operações do Open Source Program Office do Google e Netha Hussain, doutoranda em Neurociência Clínica na Universidade de Gotemburgo, são as vencedoras do Women in Open Source Award 2020.

Megan Byrd-Sanicki

Vencedora do Women in Open Source Community Award 2020

Seja a líder de que você precisa. Quando há um vazio na liderança, cada indivíduo pode preencher esse espaço dando um pouco de si. Cada pessoa que contribui para o open source é um líder, seja orientando outras pessoas, a comunidade ou apenas a si mesma. Não espere receber permissão para agir. Seja sua melhor versão.

Megan ganhou o Community Award 2020 por sua liderança na criação de comunidades open source prósperas e sustentáveis. Seu trabalho como diretora executiva da Drupal Association levou a uma comunidade mais forte e sustentável. Isso foi possível graças ao desenvolvimento de modelos de receita, à introdução de um programa de mentoria e à promoção de um ambiente inclusivo para colaboradores com habilidades e experiências diversas. Por meio de seu trabalho como gerente de pesquisa e operações do Open Source Program Office do Google e como membro do conselho de diretores da Open Source Initiative, Megan compartilha as lições aprendidas em comunidades individuais com a comunidade open source e ajuda fortalece as parcerias entre esses grupos e empresas. Megan é reconhecida por prezar pelo bem-estar dos colaboradores em suas iniciativas open source. No momento, ela está envolvida com o Covid Act Now, um projeto de modelagem de dados sobre a COVID-19, e com a FOSS Responders, uma iniciativa com foco no suporte às comunidades open source.

Netha Hussain

Vencedora do Academic Award 2020

Acredite em você mesma e saiba que você tem talento e habilidades para fazer o que quiser. Escute o seu coração e faça o que você quer. Às vezes, você pode se sentir insegura, mas siga em frente. Continue estudando. Continue aprendendo coisas novas. É assim que você vai crescer profissionalmente e como pessoa.

Netha ganhou o Academic Award do Women in Open Source 2020 por compartilhar seu conhecimento médico e aumentar o número de tópicos relevantes para o público feminino e as contribuições de mulheres na Wikipédia. Netha é médica e doutoranda em Neurociência Clínica na Universidade de Gotemburgo. Sua pesquisa envolve o uso da tecnologia de realidade virtual em pacientes de AVC. Netha fez milhares de contribuições relacionadas a saúde e mulheres na língua malaiala e em inglês para a Wikipédia, a Wikidata e a Wikimedia Commons. Ela organizou atividades de extensão da Wikipédia para mulheres e comunidades LGBTQ+ na Índia. Netha também traduziu projetos do Mozilla e TED Talks para a língua malaiala. Determinada a ser parte da solução por meio da disseminação de conhecimento, atualmente ela se concentra na criação e curadoria de artigos sobre a Covid 19 na Wikipedia.

Conheça as vencedoras e finalistas

Community Award

  • Megan Byrd-Sanicki

    Megan Byrd-Sanicki
    Gerente de pesquisa e operações do Open Source Program Office do Google

    Anos de contribuição para a tecnologia open source: 10

    Projetos ou comunidades: Drupal, Open Source Initiative, Go, Linux Foundation, SustainOSS, Covid Act Now e FOSS Responders

    Resumo das contribuições: A inspiração para
    Megan se envolver com o open source foi a sintonia com seus valores pessoas e sua vontade de criar um mundo melhor. Megan é gentil e tem uma paixão genuína por ajudar pessoas a alcançarem todo seu potencial. O open source foi o caminho que ela escolheu para impactar a sociedade por meio da criação de oportunidades de trabalho sustentáveis e sistemas capazes de conectar as pessoas. Ela acredita que o open source seja a melhor escolha para alavancar o setor de tecnologia e melhorar o mundo.

    A força da comunidade Drupal se deve muito ao trabalho de Megan como diretora executiva da Drupal Association. Megan ajudou a definir modelos de receita alinhados aos princípios estabelecidos coletivamente pelos membros da comunidade. Ela se concentrou em promover contribuições sustentáveis, estimular o desenvolvimento profissional dos colaboradores e criar de oportunidades de emprego. Tudo isso por meio de um programa global de treinamento, atividades de mentoria, feiras de emprego e eventos de CXOs com apresentações de empresas que usam o Drupal. Megan desenvolveu parcerias entre a Drupal e importantes departamentos open source de empresas como Google, Microsoft e outras.

    Megan reformulou o código de conduta da Drupal para que se alinhasse às boas práticas do setor e ajudou a promover a diversidade e a inclusão no projeto. Ela defendeu um maior reconhecimento dos colaboradores não-desenvolvedores pelo sucesso de aplicações open source. Quando Megan está em um sprint de programação ou trabalhando com a comunidade, é possível ver o quanto ela se importa e tenta apoiar a todos. Ela quer oferecer uma base sólida para que eles mantenham projetos, documentação, suporte ou outras contribuições open source.

    Como gerente de pesquisa e operações do Open Source Program Office do Google, Megan trabalha para consolidar e compartilhar recursos e lições aprendidas com o setor. Dessa forma, ela fortalece ainda mais o compromisso do Google de tornar o open source mais sustentável. Megan também faz parte do conselho de diretores da Open Source Initiative. Seu objetivo é fortalecer o papel de liderança no open source que a organização desempenha em projetos e empresas ao redor do mundo. O trabalho de Megan afeta positivamente as comunidades open source, incluindo as iniciativas do Go e da Linux Foundation e SustainOSS, onde ela presidiu conferências sobre liderança, ofereceu consultoria à iniciativas de sustentabilidade e ajudou a criar parcerias mais fortes entre comunidades e empresas. Ela criou um retiro de treinamento em liderança para mulheres do setor de tecnologia. Seu objetivo é oferecer apoio e solidariedade para que elas construam carreiras sucesso no open source.

    Megan traz paixão, experiência, conhecimento, inteligência e talento para a comunidade open source. Ela usa tudo isso para analisar como as comunidades e empresas podem se tornar mais estáveis e sustentáveis, e enaltecer os participantes.

    O que ela pretende realizar no próximo ano e no futuro:
    Megan continuará trabalhando na sustentabilidade do open source e no apoio às empresas para adoção dos princípios de colaboração aberta. Ela pretende fazer isso por meio de seu trabalho no Google, na Open Source Initiative e no Sustain OSS. O foco de Megan na sustentabilidade é importante nessa indústria conhecida por encorajar hábitos e atitudes que podem levar ao burnout. Isso também se aplica ao ponto de vista financeiro da sustentabilidade, uma vez que os projetos precisam gerar receita para manter suas infraestruturas e fidelizar usuários e colaboradores a longo prazo. Com a liderança e a orientação de Megan, novos projetos open source poderiam tornar mais sólidos e duradouros.

    Megan continua demonstrando sua preocupação com o bem-estar das pessoas ao falar sobre os novos desafios surgidos com a COVID-19. Ela faz parte de outras duas iniciativas: a Covid Act Now, que faz modelagem de dados em tempo real para estimar o impacto da propagação da COVID-19 nos hospitais dos Estados Unidos, e a FOSS Responders, que ajuda comunidades open source que precisam cancelar eventos presenciais e convertê-los em virtuais.

  • Hong Phuc Dang

    Hong Phuc Dang
    Fundadora, FOSSASIA

    Número de anos de contribuição para a tecnologia open source: 13

    Projetos ou comunidades: FOSSASIA, Open Source Initiative, Eventyay, SUSI.AI e Pocket Science Lab

    Resumo das contribuições:
    Compreender o papel do open source na evolução da educação e do treinamento em sua língua nativa, o vietnamita, encorajaram Hong Phuc a ir além. Ela foi um das fundadoras da FOSSASIA em 2009, uma comunidade dedicada a melhorar a vida das pessoas por meio do compartilhamento de conhecimento e tecnologias open source e do fomento a conexões globais. Ela queria encorajar desenvolvedores da Ásia a participarem do movimento Free and Open Source Software (FOSS). Desde então, a FOSSASIA se tornou uma das maiores comunidades open source da Ásia. Em 2019, Hong Phuc foi eleita para o conselho de diretores da Open Source Initiative.

    Hong Phuc trabalha ativamente com essa organização para desenvolver e manter vários projetos open source, incluindo o SUSI.AI, um framework de assistente de voz open source, o Pocket Science Lab, um pequeno laboratório de software e hardware parecido com o FOSS, e a Eventyay, uma solução open source para eventos. Hong Phuc apoia a participação desses projetos em vários programas de codificação, treinando milhares de novos desenvolvedores sob a supervisão da FOSSASIA.

    Todo ano, ela organiza o FOSSASIA OpenTechSummit em Singapura, um evento em que profissionais do open source de todo o mundo se encontram para compartilhar, colaborar e criar um elo entre o oriente e o ocidente. Ela também organiza eventos como o OpenTechSummit na China, hackathons científicos no Vietnã e a Jugaadfest na Índia. Além disso, Hong Phuc criou e gerencia concursos de codificação educativos como o Codeheat, que apresenta o open source a mais de mil estudantes por ano.

    Hong Phuc também apoia empresas que queiram expandir seus modelos de trabalho para se tornarem mais eficientes por meio do estímulo à colaboração aberta tanto internamente, quanto com outras empresas. O objetivo dela é compartilhar seus aprendizados com o máximo de pessoas possível para disseminar o modelo de colaboração open source ao redor do mundo. Hong Phuc dá palestras em conferências de tecnologia, como Chaos Communication Congress, FOSDEM, Open Source Summit e OpenTechSummit Europe. Ela treina professores de ensino médio para usarem ferramentas open source na educação, promove encontros para falar sobre o open source na Ásia e organiza os hackathons da UNESCO para o desenvolvimento sustentável das Nações Unidas.

    O open source foi uma experiência transformadora para Hong Phuc. Criada em uma pequena cidade no Delta do Rio Mekong, no Vietnã, Hong Phuc não consegue mais imaginar sua vida hoje em dia sem o open source. Isso deu a ela a oportunidade de aprender, crescer, ser independente, conhecer o mundo e se conectar com muitas pessoas. Ela acredita que, com o open source livre, é possível compartilhar e colaborar além das fronteiras, independentemente de idioma, raça, religião, gênero, histórico e habilidades.

    O que ela pretende realizar no próximo ano e no futuro:
    Durante o FOSSASIA Summit 2020 em Singapura, Hong Phuc e sua equipe tiveram a experiência de gerenciar um evento parcialmente presencial e online porque muitas pessoas não puderam comparecer devido às restrições de viagens. Eles descobriram que há muito o que aprender e melhorar em relação aos eventos colaborativos feitos com a FOSS.

    Para o próximo ano, Hong Phuc planeja organizar mais eventos online, principalmente, workshops promovendo o trabalho colaborativo na busca de soluções práticas para a crise da COVID-19. Por conta da crise, as comunidades precisam de equipamentos médicos que estão em falta, como respiradores, máscaras de proteção, medicamentos, conteúdo educacional disponibilizado online e ferramentas digitais open source para as escolas. As cadeias de suprimento globais foram interrompidas, e o mercado não está conseguindo suprir o necessário. E os preços estão exorbitantes.

    Para Hong Phuc, isso mostra que não podemos mais depender de pipelines de produção centralizados; precisamos de soluções que possam ser implantadas em qualquer lugar e produtos que possam ser manufaturados localmente. Para alcançar isso, temos que seguir o caminho da ciência, do hardware e do software open source, cada um com seus código, esquemas e conhecimentos que podem ser compartilhados com o mundo. Hong Phuc gostaria de usar sua energia para criar uma mudança de paradigma na sociedade: tornar o "aberto" comum e inclusivo.

    A intenção de Hong Phuc ao compartilhar sua jornada é encorajar mulheres e pessoas com os mais diversos históricos a participar da FOSS. Além disso, ela planeja lançar um programa de desenvolvimento de códigos em parceria com as empresas que apoiam a FOSS.

  • Anita Graser

    Anita Graser
    Cientista de dados espaciais, AIT Austrian Institute of Technology em Viena

    Número de anos de contribuição para a tecnologia open source: 12

    Projetos ou comunidades:
    QGIS, OSGeo e MovingPandas

    Resumo das contribuições:
    Por causa de suas boas experiências com o open source Anita começou a frequentar fóruns voltados a esse assunto e logo se viu oferencendo suporte a outros participantes. Ela participou de uma das primeiras reuniões para desenvolvedores do QGIS, um sistema de informações geográficas open source, e considerou a comunidade muito aberta e receptiva. Ela se tornou uma colaboradora assídua em tutoriais, plugins e materiais de marketing. Anita faz parte do QGIS desde 2008. Em 2013, ela entrou para o comitê de gestão do projeto e escreveu seu primeiro livro, chamado “Learning QGIS 2.0”. De 2015 a 2017, Anita fez parte do conselho de diretores da OSGeo.

    Anita dá aulas de QGIS e Python na UNIGIS Salzburg. Ela está desenvolvendo o plugin Time Manager para o QGIS e deu início à biblioteca MovingPandas, que implementa estruturas de dados de trajetos e métodos correspondentes para gerenciar os dados de movimentação. Anita publicou vários livros sobre o QGIS, incluindo quatro edições de “Learning QGIS”, duas edições de “QGIS Map Design” e o “QGIS 2 Cookbook”. Ela foi palestrante convidada em vários eventos internacionais, incluindo conferências técnicas e científicas. Anita foi destaque como uma das 40 profissionais com menos de 40 anos na revista do setor geoespacial, a xyHt.

    O que ela pretende realizar no próximo ano e no futuro:
    Anita quer continuar sua liderança no QGIS como parte do comitê de gestão do projeto. Além disso, ela gostaria de se concentrar no desenvolvimento da biblioteca MovingPandas, incluindo a criação de uma comunidade de desenvolvedores e usuários, a aceitação da MovingPandas no pyOpenScience e integração ao QGIS.

  • Ashley Nicolson

    Ashley Nicolson
    Chefe de produto e comunidade da SalesAgility

    Número de anos de contribuição para a tecnologia open source: 5

    Projetos ou comunidades:
    SuiteCRM, Scotland Open Source Users Meetups (SOSUM) e Ladies of Code

    Resumo das contribuições: O primeiro contato de
    Ashley com o open source foi em 2010, no seu primeiro emprego como engenheira de software. Logo, ela começou a perceber que as empresas não davam a devida atenção às comunidades, algo que, num primeiro momento, interpretou como sendo normal do setor. À medida que ganhava mais experiência, ela percebeu o impacto que o open source tem na evolução dos negócios e dos desenvolvedores. E concluiu que o open source estava sendo subestimado.

    Ashley atualmente é chefe de produtos e comunidade da SalesAgility, a criadora da aplicação SuiteCRM open source. Ela teve um papel fundamental no crescimento e desenvolvimento da comunidade open source da empresa, obtendo um aumento de mais de 750% nas contribuições colaborativas para a SuiteCRM entre 2015 e 2019. Atualmente, o fórum da comunidade da SalesAgility tem cerca de 49 mil membros ativos.

    Ashley é cofundadora do Scotland Open Source Users Meetups (SOSUM), que tem mais de 100 membros. Os encontros do SOSUM unem as pessoas interessadas no Free and Open Source Software (FOSS), com um foco em descobrir projetos, discutir o impacto do FOSS no setor e explorar as maneiras de promover um ecossistema open source saudável. O SOSUM está aberto para pessoas com habilidades de todos os níveis e é uma combinação de palestras, workshops e demonstrações sobre todos os aspectos do open source. Também há anúncios sobre o mundo do open source, debates sobre a ética e discussões de como gerenciar e dar suporte a projetos e comunidades online.

    Ashley também trabalha com as Ladies of Code em Glasgow, que é uma rede composta por mais de 750 mulheres, todas ávidas pelo conhecimento digital. Além disso, ela é parceira de escolas escocesas, para as quais oferece atividades educacionais sobre o open source. Ela ensinou a mais de 100 crianças do ensino fundamental sobre as tecnologias e participação do open source.

    Para Ashley, o open source demonstra a paixão e a dedicação das pessoas em tornar o mundo melhor. Isso acontece por meio da distribuição de código e aplicações.

    O que ela pretende realizar no próximo ano e no futuro:
    Ashley quer introduzir o open source no currículo de ciências da computação na Escócia. Com isso, Ashley quer aumentar o número de meninas que se matriculam nas matérias de ciências da computação, incitar uma experiência positiva com o open source e despertar a consciência sobre a importância do open source na educação.

    Ela gostaria de amadurecer e desenvolver os encontros do SOSUM para que ele se torne uma voz para a comunidade open source. Isso incluirá patrocínio empresarial periódico para ajudar na hospedagem e para viabilizar discussões estimulantes acerca do trabalho e da vida open source e seu impacto no setor e na sociedade.

    Por fim, ela gostaria de criar uma comunidade saudável e animada na Escócia e encorajar as organizações a adotar, defender e contribuir com o open source. Atualmente, Ashley divulga o open source e seu impacto no cenário de tecnologia pela Escócia. Ela gostaria de organizar mais workshops, conferências e eventos sobre o tema.

  • Lydia Pintscher

    Lydia Pintscher
    Gerente de produtos para Wikidata na Wikimedia Deutschland

    Número de anos de contribuição para a tecnologia open source: 13

    Projetos ou comunidades:
    KDE, Wikimedia e VideoLAN

    Resumo de contribuições:
    O que atraiu Lydia para as aplicações open source livres, foi a possibilidade de criar algo de grande impacto, trabalhando ao lado de uma comunidade internacional. Ela foi fundamental na transformação de dois projetos open source: KDE e Wikimedia.

    Lydia participa da comunidade KDE desde 2006 e está no conselho de diretores da KDE e.V. desde 2011. Ela já foi presidente da organização e atualmente é a vice-presidente. Como presidente da KDE e.V., Lydia , liderou o processo de busca por uma nova visão e missão com metas concretas que conquistassem o apoio da comunidade. Esse processo transformou e revigorou a comunidade para algo além do que as pessoas achavam possível em um projeto longo como o KDE.

    Lydia é a gerente de produtos da Wikidata desde 2013. A Wikidata, uma base de conhecimento para dados estruturados, gerou uma maciça onda de mudanças na Wikipédia, o maior projeto colaborativo do mundo. Lydia deu suporte à comunidade da Wikimedia nesses tempos de incerteza e ajudou a fazer da Wikidata esse projeto incrível que é hoje. A Wikidata é muito usada além da Wikimedia. Por exemplo, ela é usada no Knowledge Graph do Google e quando a Siri responde a uma pergunta.

    Lydia não contribuiu apenas com a KDE e a Wikimedia. Ela faz questão de manter próxima de outras comunidades, como a VideoLAN, oferecendo suporte às necessidades de governança delas. Ela é editora da Open Advice, uma coletânea de informações na qual colaboradores notáveis do software open source livre compartilham coisas que gostariam de ter aprendido logo que começaram.

    O que ela pretende realizar no próximo ano e no futuro:
    Lydia continuará apoiando os milhares de editores da Wikidata e colaboradores do KDE. Seu objetivo é assegurar que tenhamos acesso a dados e aplicações open source confiáveis para as tecnologias que usamos diariamente.

Academic Award

  • Netha Hussain

    Netha Hussain
    Doutoranda em Neurociência Clínica na Universidade de Gotemburgo com graduação em 2020.

    Número de anos de contribuição para a tecnologia open source: 10

    Projetos ou comunidades:
    Wikimedia, Mozilla e TED

    Resumo de contribuições:
    Netha começou colaborando com a Wikipédia em seu primeiro ano na faculdade de medicina em 2010. Ela ficava intrigada com a ideia de desenvolver uma enciclopédia colaborativa com a qual qualquer pessoa pudesse contribuir. Ela começou contribuindo com edições e novos artigos relacionados à área da saúde e ficou fascinada com a ideia do open source. Ela descobriu várias comunidades que giram em torno da filosofia open source e participou de estratégias, de captação de recursos e desenvolvimento de comunidades. Todo o trabalho que Netha fez até então, incluindo os artigos científicos, posts em blogs, legendas de vídeos e contribuições de mapeamento, código e imagens, é acessível e a maioria é compartilhada sob licenças CC0 ou CC-BY.

    Netha é médica e doutoranda em Neurociência Clínica na Universidade de Gotemburgo. Sua pesquisa envolve o uso da tecnologia de realidade virtual em pacientes que sofreram AVC. Como parte de seu trabalho de doutorado, ela desenvolve códigos para análise de movimentos. Ela publicou três artigos científicos que estão disponíveis para leitura.

    Na Wikipédia, ela escreve artigos relacionados a área da saúde e mulheres nas línguas malaiala e inglesa (300 artigos novos e 13 mil edições). Ela também contribui com dados para a Wikidata (120 mil edições) e imagens para a Wikimedia Commons (9 mil novas imagens e 22 mil edições). Netha agora está trabalhando em um projeto que leva imagens médicas para a Wikipédia. Ela é coordenadora linguística de língua malaiala e faz a legendagem para os TED Talks. Ela também traduziu projetos do Mozilla para a língua malaiala.

    Netha organizou atividades de extensão da Wikipédia voltadas a mulheres e comunidades LGBTQ+. Ela também ajudou a organizar a desconferência AdaCamp Bangalore para mulheres na tecnologia e cultura open source. Ela deu várias palestras e workshops na Wikimedia e Mozilla e participou de conferências TED e sobre medicina.

    O que ela pretende realizar no próximo ano e no futuro:
    Netha planeja defender sua tese de doutorado em maio de 2020 e continuar como pesquisadora da área de tecnologia de realidade virtual e análise de movimentos, realizando avaliações e reabilitação com indivíduos que sofreram acidentes vasculares cerebrais (AVC). Ela espera unir a tecnologia e a prática clínica ao levar dispositivos open source econômicos para os hospitais.

    Netha planeja continuar contribuindo com a Wikipédia, com foco em disponibilizar conteúdo e imagens de qualidade para artigos relacionados à área da saúde. Ela se dedica a solucionar problemas compartilhando seu conhecimento. Atualmente, ela cria e faz a curadoria de artigos sobre a COVID-19. Em 2020, Netha quer publicar um artigo relacionado à participação das mulheres indianas na Wikipédia, para o qual ela e sua colaboradora já coletaram os dados e publicaram alguns dos resultados. Sua intenção é continuar organizando atividades de extensão relacionados a Wikimedia e ao open source na Índia e na Suécia. Além disso, ela vai continuar aprimorando suas habilidades e codificação em sueco.

  • ​Atibhi Agrawal

    Atibhi Agrawal
    Mestranda em Engenharia de comunicação e eletrônica no International Institute of Information Technology de Bangalore, com graduação prevista para 2021

    Número de anos de contribuição para a tecnologia open source: 4

    Projetos ou comunidades:
    If-me.org, Public Labs, OpenGenus Foundation e Fluentd

    Resumo de contribuições:
    Atibhi se interessou pelo open source após ouvir sobre a experiência de um amigo com o Google Summer of Code. Ela foi inspirada pela possibilidade contribuir significativamente escrevendo códigos que poderiam ser usado por milhões de pessoas. Quando ela começou a colaborar com o open source, percebeu que muitas organizações abordavam alguns problemas ambientais e sociais importantes. Isso a motivou ainda mais a fazer parte dessas organizações.

    Em 2018, Atibhi foi selecionada para o Rails Girls Summer of Code e contribuiu para o desenvolvimento do if-me.org, uma aplicação que reúne uma comunidade para compartilhar experiências relacionadas à saúde mental. Depois, ela se tornou uma mentora do Google Code-in e do Google Summer of Code para a Public Lab e do GirlSript Summer of Code para a OpenGenus Foundation. Agora ela é estagiária na Cloud Native Computing Foundation, contribuindo para o projeto Fluentd, um projeto de software de coleta de dados open source de plataforma cruzada. Ela espera que mais pessoas de grupos minoritários tenham participação na tecnologia e está se empenhando continuamente para isso. Inspirada pela iniciativa Lean In Circles de Sheryl Sandberg, ela deu início ao programa Lean In em sua faculdade. Ela oferece mentoria para outras mulheres, compartilhando sua experiência em palestras e workshops, e encoraja mulheres a participar de programas open source.

    O que ela pretende realizar no próximo ano e no futuro:
    Atibhi quer aumentar a representatividade das mulheres no open source, na tecnologia e em outras áreas de STEM. Ela vê o open source como uma maneira incrível de ganhar experiência profissional durante a faculdade, embora a maiorias dos estudantes não percebam isso. Seu objetivo é conscientizar as pessoas sobre o open source e suas oportunidades por meio de eventos, blogs e outras atividades.

  • Muskan Khedia

    Muskan Khedia
    Estudante de Ciências da Computação na College Of Engineering and Technology de Bhubaneswar, com previsão de graduação em 2021

    Número de anos de contribuição para a tecnologia open source: 3

    Projetos ou comunidades:
    Mifos Initiative e Jarvis

    Resumo de contribuições:
    Muskan colabora em aplicações de desktop, mobile e web e em projetos open source de extensões baseadas na web como programadora e mentora. Ela contribuiu com projetos em organizações como Mifos Initiative, Apache Software Foundation, Zulip e Coding Blocks e no clube de tecnologia de sua faculdade, o Zairza. Ela orientou alunos no Google Code-in para a Mifos Initiative e outros que participavam do Zairza. Muskan foi selecionada para ser uma das administradoras do Jarvis, projeto de assistente pessoal desenvolvido durante o GirlScript Summer of Code, e orientou estudantes de várias partes do mundo.

    A experiência de colaborar com a comunidade, compartilhando ideias e participando de discussões, encoraja Muskan a se envolver ativamente com o open source. Ela admira como o open source permite o crescimento do coletivo e possibilita projetos humanitários. Por exemplo, ela se inspirou e começou a colaborar com a Mifos Initiative, que trata da pobreza em diferentes países.

    O que ela pretende realizar no próximo ano e no futuro:
    No próximo ano, Muskan pretende aprender como criar aplicações em containers escaláveis ao implantá-los no Kubernetes e como criar imagens de container Docker. Ela gostaria de participar de projetos open source como o Elasticsearch e Prometheus. Ela espera ter a chance de participar do Google Summer of Code e se qualificar como membro essencial da Mifos Initiative.

  • Niharika Shrivastava

    Niharika Shrivastava
    Estudante de Tecnologia da Informação no Indian Institute of Information Technology de Allahabad, com graduação prevista para 2020

    Número de anos de contribuição para a tecnologia open source: 3

    Projetos ou comunidades:
    Fedora e Mozilla

    Resumo das contribuições:
    Niharika foi estagiária da Outreachy no Projeto Fedora e trabalhou para integrar a internacionalização (I10N) ao Modularity, o que permitiu que pacotes Fedora fossem lidos em diferentes idiomas ao redor do mundo. Ela se apresentou na conferência Flock to Fedora, organizou o primeiro Fedora Women’s Day em sua universidade e ofereceu mentoria para estudantes no Google Code-in para o Projeto Fedora. Niharika recebeu duas bolsas de estudos com foco em diversidade da Linux Foundation e apresentou uma palestra no Open Source Summit. Ela colaborou com o W3C ReSpec sob a supervisão de membros da comunidade do Mozilla e foi premiada com um kit promocional do Mozilla pelo W3C por sua contribuição ativa na padronização da escrita de especificações. Niharika foi mentora de contribuição de código, garantia de qualidade, teste de unidade e documentação para outros estudantes no GirlScript Summer of Code e no OpenCode, um evento de um mês dedicado ao open source em sua universidade. Ela faz parte das equipes organizadoras do hackathon Hack in The North and Prototype e da Pragma, uma conferência anual para desenvolvedores de sua universidade. Sua equipe venceu o Smart Indian Hackathon com um sistema de monitoramento de progresso e pesquisa inteligente para o Dr. Reddy's Laboratories usando apenas software open source.

    Niharika está determinada a quebrar esteriótipos históricos. Ela foi a primeira mulher a coordenar um braço de tecnologia da Student's Technical Society na sua universidade, sendo responsável pelo setor de Blockchain. Isso encorajou outras mulheres em sua universidade a se candidataremà cargos de liderança. Niharika organizou muitos eventos open source com foco em diversidade em associação com o programa Women Techmakers. Ela acredita que o open source aceita todas as pessoas sem impôr barreiras. Ao participar ativamente do open source e encorajar os outros a participar, ela espera promover "a tecnologia para todos" e inovação livre de desigualdades de gênero.

    O que ela pretende realizar no próximo ano e no futuro:
    Niharika está trabalhando no gerenciamento de frotas de múltiplas classes na Singapore University of Technology and Design. No momento, ela trabalha com uma equipe em um projeto baseado no OpenStreetMap. O objetivo é criar uma solução econômica de gerenciamento de congestionamentos e reajustes para carros autônomos. Ela espera publicar um artigo sobre o assunto e disponibilizar esse trabalho em open source para que as pessoas possam contribuir com o desenvolvimento do projeto.

  • Saumya Singh

    Saumya Singh
    Estudante de Tecnologia da Informação na Chaudhary Brahm Prakash Government Engineering College de Nova Dheli, com graduação prevista para 2021

    Número de anos de contribuição para a tecnologia open source: 3

    Projeto ou comunidades:
    Fitofy India, BarView, Systers do AnitaB.org e Mifos Initiative

    Resumo das contribuições:
    Saumya é uma desenvolvedora full-stack do Android. Ela criou à Fitofy India, uma aplicação open source para Android voltado para a saúde e o bem-estar, lançada durante a semana da educação em ciências da computação da Kharagpur Open Source Society do IIT de Kharagpur. Ela é mentora do GirlScript Summer of Code para a BarView, uma aplicação open source do Android para representar dados em barras. Saumya trabalhou como mentora do Google Code-in com o Systers para o Mentorship System, uma aplicação Android focada no desenvolvimento profissional que permite que mulheres do setor de tecnologia ofereçam orientação de carreira umas às outras. Ela também trabalhou como mentora do Google Code-in com a Mifos Initiative para Mifos Mobile CN, que é uma aplicação de serviços bancários baseada no Fineract CN da Apache. Ela foi a vencedora da Smart India Hackathon, da Delhi Police Hackathon e do Connect With Google Social Challenge. Saumya é um membro essencial do Women Who Code Delhi.

    O que ela pretende realizar no próximo ano e no futuro:
    Saumya está explorando ideias diferentes para aplicações e plataformas que possam encorajar mulheres no setor de STEM e empreendedorismo. Por exemplo, ela gostaria de colaborar com o Systers, uma comunidade do AnitaB.org, sobre wooSTEM, uma aplicação do Android para incentivar mulheres no setor de STEM. A aplicação ofereceria atividades de STEM engajadoras e divertidas, informações sobre bolsas de estudo e incentivo. Ela ainda premiaria usuárias ativas com acesso a conteúdo adicional, workshops sobre a comunidade e oportunidades de crescimento, como se tornar uma blogueira ou tutora da comunidade. A outra ideia de Saumya é o STARTUP4ALL, uma plataforma de empreendedorismo voltada para público feminino, incluindo mães e mulheres buscando a possibilidade de gerir negócios de casa, que tem como objetivo a desenvolver uma mentalidade de startup.

Processo de premiação

Reconhecimento da contribuição das mulheres para o open source

Buscamos mulheres que contribuem signitivamente para a comunidade ou projetos open source, incluindo:

  • Código e programação.
  • Certificação de qualidade e triagem de bugs.
  • Hardware open source.
  • Administração de sistemas e infraestrutura.
  • Design, arte, experiência do usuário e marketing.
  • Documentação, tutoriais e outras comunicações.
  • Tradução e internacionalização.
  • Conteúdo aberto.
  • Defesa e gerenciamento de comunidades.
  • Defesa da propriedade intelectual e reforma legal.
  • Metodologia open source.

As indicadas qualificadas podem concorrer em duas categorias diferentes

  • Women in Open Source Academic Award: mulheres matriculadas em faculdades ou universidades em tempo integral, que cumprem 12 ou mais horas de crédito, em qualquer nível de graduação
  • Women in Open Source Community Award: todas as mulheres que não se encaixam na categoria acima

Estes são os líderes em open source que escolheram as nossas finalistas e vencedoras.

  • DeLisa Alexander, vice-presidente executiva e diretora executiva de pessoal
  • Margaret Dawson, vice-presidente, marketing de soluções
  • Denise Dumas, vice-presidente, engenharia de aplicações
  • Paul Frields, gerente sênior, engenharia de aplicações
  • Clare Grant, diretora sênior, gerenciamento de soluções
  • Vincent Batts, engenheiro-chefe sênior de aplicações
  • Tom Callaway, gerente técnico do programa de atividades de extensão comunitárias.
  • Jessica Forrester, engenheira-chefe sênior de aplicações
  • Priyanka Nag, gerente de projetos, engajamento e experiência do cliente
  • Harish Pillay, gerente sênior de relações com a comunidade
  • Limor Fried, fundadora e engenheira-chefe da Adafruit Industries, LLC e vencedora do Women in Open Source Community Award 2019
  • Dana Lewis, fundadora da OpenAPS e criadora do sistema de pâncreas artificial DYI e vencedora do Women in Open Source Community Award 2018
  • Avni Fein, gerente sênior e gerente do programa técnico da Amazon, presidente da Kids on Computers e vencedora do Women in Open Source Community Award 2017

Vencedoras e finalistas anteriores

Saiba mais sobre as mulheres que receberam esse importante prêmio por suas contribuições para a tecnologia open source.

Nossas vencedoras de 2019

Nossas finalistas e vencedoras de 2019 são fundadoras, empresárias, líderes na prática do open source, engenheiras e mentoras. O trabalho delas afeta áreas que vão desde o hardware open source até a cibersegurança e sustentabilidade open source. Saiba como essas mulheres inspiradoras estão mudando o mundo.

Limor Fried

Vencedora do Women in Open Source Community Award 2019

O espectro da engenharia é tão grande e tão variado que acho que é isso que quero passar para as crianças e inspirá-las a serem o que quiser. Não importa o que for, a tecnologia está envolvida em tudo. Seja qual for seu hobby ou interesses (ciências veterinárias, pesquisa sobre o câncer ou design de skates), tudo envolve engenharia e pode ser criado e combinado por você.

Limor venceu o Women in Open Source Community Award 2019 por sua liderança e ativismo na comunidade de hardware open source. Ela fundou sua empresa, a Adafruit, em 2005, com o objetivo de criar o melhor lugar online para o aprendizado de eletrônica. Como engenheira-chefe, Limor trabalha com uma equipe criativa para desenvolver produtos para todas as idades e níveis de habilidade. Ela também apresenta os programas Ask an Engineer e Show and Tell no YouTube, trabalha como mentora e está no conselho consultivo da revista IEEE Spectrum. Limor foi nomeada Champion of Change da Casa Branca em 2016 e entrou para a lista “America’s Top 50 Women in Tech” da revista Forbes em 2018.

Saloni Garg

Vencedora do Women in Open Source Academic Award 2019

Quero inspirar as pessoas a conhecer o open source, porque é uma ótima maneira de aprender novas tecnologias e de formar comunidades internacionais. É muito importante incentivar estudantes mais jovens a se unirem a nós. Assim, eles são expostos a tecnologias que já estão sendo usadas.

Saloni venceu o Women in Open Source Academic Award 2019 por seus esforços no desenvolvimento da comunidade no LNM Institute of Information Technology em Jaipur, na Índia, onde ela cursa a graduação em Ciências da Computação. Ela defendeu os princípios do open source, estabelecendo uma comunidade de desenvolvedores para colaborar e compartilhar ideias. Ela ainda foi reconhecida como uma Mozilla Open Leader por causa desse projeto. Ela também é um membro ativo de várias iniciativas em comunidades open source mais conhecidas.

Conheça nossas finalistas de 2019

Community Award

Gabriela de Queiroz
Fundadora da R-Ladies
Hong Phuc Dang
Fundadora da FOSSASIA
Limor Fried
Fundadora e engenheira-chefe da Adafruit Industries, LLC
Nithya Ruff
Chefe de prática open source da Comcast
Pia Mancini
CEO da Open Collective

Academic Award

​Alina Matyukhina
Doutoranda na Universidade de New Brunswick e pesquisadora de cibersegurança no Canadian Institute for Cybersecurity
Kate Compton
Doutoranda na Universidade da Califórnia em Santa Cruz
Mallory Gaspard
Cursando a graduação em Física e Matemática no Instituto Politécnico Rensselaer (RPI)
Sayantika Banik
Cursando a graduação em Engenharia no Sir M. Visvesvaraya Institute of Technology

Nossas vencedoras de 2018

Nossas vencedoras e finalistas de 2018 são organizadoras, mentoras, gerentes, engenheiras, presidentes, vice-presidentes e diretoras executivas. Os trabalhos dessas mulheres abrangem áreas que variam da educação em open source a treinamento sobre web e tecnologias de aprendizado. Continue lendo para saber como essas mulheres inspiradoras estão mudando o mundo.

Dana Lewis

Vencedora do Women in Open Source Community Award 2018

Fomos do insight inicial à concretização da nossa ideia em apenas duas semanas. O processo foi mais rápido do que qualquer um poderia prever. É uma verdadeira representação do movimento #WeAreNotWaiting (Nós não esperamos) e de que as pessoas estão dispostas a ajudar.

Dana foi a vencedora do Women in Open Source Community Award 2018 por seus esforços em revolucionar o tratamento da diabetes tipo 1. Dana estava frustrada porque o setor de tratamentos voltados para diabetes não conseguia oferecer um dispositivo que funcionasse para o problema dela. Por isso, ela criou um dos primeiros sistemas de pâncreas artificiais do tipo “faça você mesmo”. Com os esforços dela, foi criada a comunidade Open Artificial Pancreas System (OpenAPS), um projeto de software livre e open source (FOSS) que proporciona às pessoas com diabetes a possibilidade de criar um dispositivo que funcione de acordo com as necessidades de cada uma. Dana desempenhou praticamente todas as funções imagináveis nessa comunidade.

Zui Dighe

Vencedora do Women in Open Source Academic Award 2018

Há muito potencial a ser explorado. E Isso inclui novas ideias e pontos de vista diferentes. Essa é a mentalidade do open source e deste prêmio.

Zui foi a vencedora do Women in Open Source Academic Award 2018 pelas iniciativas em tornar os dados, principalmente da área de saúde, abertos e acessíveis para todos. Como estudante de Engenharia Biomédica na Universidade Duke, ela começou a se aventurar na tecnologia open source ao usar o Sana, um kit de desenvolvimento mobile para aplicações de saúde Com o Sana, Zui criou uma aplicação para ser utilizada com um dispositivo de colposcopia econômico para comunidades de baixa renda. Esse trabalho despertou nela o desejo de usar a tecnologia open source para ajudar comunidades em países em desenvolvimento. Zui se uniu a uma equipe de estudantes da Universidade Duke e da Universidade Makerere em Kampala, Uganda, para remodelar uma caixa para transporte de vacinas, introduzindo inovações com o uso das bibliotecas open source Arduino, Particle e Adafruit. Ela e outro colega de Duke expandiram o projeto para explorar a área de energia sustentável. Eles desenvolveram usando o sistema Arduino para monitorar fatores ambientais em áreas remotas e determinar as necessidades de energia de cada local.Isso rendeu à dupla o terceiro lugar na competição internacional Go Green in the City de 2018, organizada pela Schneider Electric. O trabalho de Zui tem como objetivo conectar necessidades e soluções inovadoras, ao tempo que identifica novas oportuinidades.

Conheça nossas finalistas de 2018

Community Award

Dana Lewis
Fundadora da OpenAPS e criadora do sistema de pâncreas artificial do tipo “faça você mesmo”
Rupa Dachere
Fundadora, diretora executiva, presidente e dirigente do conselho da CodeChix
Beth “pidge” Flanagan
Colaboradora com os projetos OpenEmbedded e Yocto e CTO da Togán Labs
Karen Sandler
Diretora executiva da Software Freedom Conservancy e “advogada ciborgue”
Katie McLaughlin
Engenheira de confiabilidade de sites da Divio

Academic Award

​Ann Barcomb
Doutoranda em Comunidades de software livre e open source na Universidade de Limerick
Emily Shannon
Estudante de Engenharia Biomédica na Universidade Duke
Jona Azizaj
Bacharel em Informática para Negócios pela Universidade de Tirana
Nikki Stevens
Doutoranda em Dimensões Humanas e Sociais da Ciência e da Tecnologia pela School for the Future of Innovation in Society da Universidade do Estado do Arizona
Zui Dighe
Bacharel em Engenharia Biomédica e Ciências da Computação pela Universidade Duke

Nossas vencedoras de 2017

Nossas finalistas de 2017 são organizadoras, mentoras, gerentes de programação, engenheiras, presidentes, vice-presidentes e diretoras executivas. Os trabalhos dessas mulheres abrangem áreas que variam da educação em open source a treinamento sobre web e tecnologias de aprendizado. Continue lendo para descobrir como essas mulheres inspiradoras estão mudando o mundo.

Avni Khatri

Vencedora do Community Award 2017

Eu ajudei a criar esses laboratórios para que as crianças usem a tecnologia e obtenham acesso a conteúdos educativos que de outra forma não teriam. Esperamos que elas vejam que isso é possível e usem esse conhecimento para melhorar suas próprias vidas, as de suas famílias e de suas comunidades.

Neste ano, Avni recebeu o Women in Open Source Community Award pelos esforços na capacitação de crianças, com o objetivo de mudar a vida delas por meio da tecnologia. O sonho de Avni é que todos, especialmente as crianças, tenham acesso ilimitado à educação. Dessa forma, elas poderão ter mais autonomia sobre as próprias vidas e a capacidade de melhorar as comunidades. Para ela, o software livre e open source (FOSS) é um instrumento para tornar essa visão realidade. Ela está trabalhando para levar a tecnologia a comunidades carentes em todo o mundo com a organização sem fins lucrativos Kids on Computers. Como voluntária desde 2010 e presidente da organização desde 2012, Avni viajou para comunidades remotas no México, na Índia e no Marrocos. Nesses países, ela instaurou laboratórios escolares com computadores Linux, aplicativos FOSS e conteúdo aberto, como a Wikipedia offline e a Khan Academy, e capacitou voluntários locais para dar suporte a eles. Ela foi co-fundadora da For a Living, uma nova plataforma open source recente. Com essa plataforma, os alunos aprendem sobre diferentes carreiras e podem entrevistar profissionais sobre seus trabalhos, interesses e habilidades.

Jigyasa Grover

Vencedora do Women in Open Source Academic Award 2017

Acredito que crescemos ao incentivar os outros. Não só impactamos as pessoas como criamos um efeito cascata ao ajudá-las a entrar no fascinante mundo do open source.

Jigyasa ganhou o Women in Open Source Academic Award deste ano por suas contribuições à comunidade open source. Na época em que frequentava a universidade, Jigyasa começou a trabalhar com a competitiva programação algorítmica C/C++, Java, Python e outras, o que a levou a explorar a tecnologia open source. Ela começou a trabalhar no Pharo, um Smalltalk IDE open source, e tornou-se uma das principais colaboradoras do Pharo 4.0, lançado em 2015. Desde então, ela participou do Google Summer of Code em 2015 e 2016, e foi premiada com oportunidades de pesquisa pelo National Research Council of Canada e o ESUG no Institut de recherche pour le développement (IRD), na França. Para inspirar os outros, ela divulga seu trabalho e suas experiências em blogs, compartilha códigos no GitHub e organiza laboratórios para criação de código e palestras sobre tecnologia. Além disso, Jigyasa lidera equipes de mulheres em grandes hackathons, dá palestras em conferências e participa de programas de mentoria. Ela é a diretora do Women Who Code Delhi e participa do GDG, Google WTM, WiSE e Systers IWiC.

Conheça nossas finalistas de 2017

Women in Open Source Community Award

Amira Dhalla
Líder, mulheres e educação para web, Mozilla Foundation
Avni Khatri
Gerente de programação, Grupo de Tecnologias de Conhecimento e Aprendizagem, Laboratório de Ciência da Computação, Massachusetts General Hospital
Heather Kirksey
Vice-presidente de NFV, Linux Foundation
Jessie Frazelle
Engenheira de software, Google
Karen Sandler
Diretora executiva, Software Freedom Conservancy

Women in Open Source Academic Award

Aastha Vijay
Estudante da Cummins College of Engineering for Women, Pune, Maharashtra, Índia
Dawn Foster
Doutoranda na Universidade de Greenwich
Jigyasa Grover
Estudante da Delhi Technological University (antes conhecida como Delhi College of Engineering)
Nabanita De
Estudante da University of Massachusetts, Amherst
Safia Abdalla
Estudante da Universidade Northwestern

Nossas vencedoras de 2016

As vencedoras e finalistas do Women in Open Source Award 2016 são engenheiras, desenvolvedoras, gerentes de comunidades, mentoras, empresárias, educadoras e pioneiras. Elas estão fazendo a diferença em áreas que variam da gestão de energia da CPU à propagação da diversidade em comunidades e educação em tecnologia open source. Continue lendo para descobrir como essas mulheres inspiradoras estão mudando o mundo.

Vencedora do Women in Open Source Community Award 2016

Jessica McKellar

Jessica recebeu o Women in Open Source Community Award por criar ambientes mais inclusivos nas comunidades open source e no setor tecnológico. A entrada de Jessica no mundo open source em 2006 foi uma experiência positiva. Sua inspiração é tornar as comunidades open source mais acessíveis para novos colaboradores, para que a experiência deles seja tão boa quanto a dela.

Como presidente de propagação da diversidade da PyCon, o evento anual da comunidade Python, Jessica entrou em contato com sua rede de mulheres da área de tecnologia para aumentar o número de palestrantes do sexo feminino dessa conferência de 1% em 2011 a 40% em 2016. Jessica recebeu o O'Reilly Open Source Award pelo trabalho de propagação da diversidade na comunidade de Python em 2013. Além disso, ela coordenou a participação do Twisted and Python no Outreachy, um programa que ajuda grupos com baixa representatividade a se envolverem no mundo open source. Sob sua liderança, o Dropbox aumentou a representatividade feminina na engenharia. Ela também é consultora técnica sênior da série Silicon Valley, da HBO.

Vencedora do Women in Open Source Academic Award 2016

Preeti Murthy

Preeti recebeu o Women in Open Source Academic Award de 2016 devido à suas contribuições para a tecnologia open source. Ainda como estudante universitária, Preeti participou de uma equipe que tinha como objetivo apresentar o open source aos demais estudantes. Após a graduação, ela trabalhou por três anos como desenvolvedora do kernel do Linux e contribuiu com código, documentação, tutoriais, conteúdo aberto e outras comunicações. Preeti tem aproximadamente 60 participações e avaliações na área de gestão de energia da CPU. Ela também trabalhou voluntariamente como co-mentora do programa de estágio Outreachy. Preeti cursa o mestrado na universidade Carnegie Mellon, onde ela e sua equipe trabalham em ferramentas de programação para sistemas de coleta de energia. Eles esperam disponibilizá-las para a comunidade open source em breve.

Conheça nossas finalistas de 2016

Community Award

Heidi Ellis
Professora de ciência da computação e tecnologia de informação na Universidade Western New England
Valerie Aurora
Co-fundadora da Ada Initiative e desenvolvedora do kernel do Linux
Carrie Anne Philbin
Pioneira educacional na Raspberry Pi Foundation
Julia Lawall
Cientista pesquisadora sênior na Inria

Academic Award

Ankita Shukla
Estudante do Instituto de Tecnologia da Índia (IIT)
Divya Upadhyay
Estudante do Instituto Nacional de Tecnologia, Patna, Índia
Lynnette Ng
Estudante da Universidade Nacional de Singapura
Dawn Foster
Doutoranda na Universidade de Greenwich

Conheça nossas vencedoras de 2015

A primeira turma de vencedoras e finalistas do Women in Open Source Award contribuiu com projetos que incluem desde conteúdo médico aberto e reforma jurídica a criação de códigos para muitos projetos open source. Continue lendo para descobrir como essas mulheres inspiradoras estão mudando o mundo.

Vencedora do Women in Open Source Community Award de 2015

Sarah Sharp

Sarah recebeu o Community Award por aprimorar as comunicações e convidar mulheres a participar de comunidades open source. Sarah coordena mentores de kernel do Linux® para o Outreachy (conhecido anteriormente como Outreach Program for Women), que ajuda grupos sub-representados a se envolverem com projetos de software open source. Sarah deseja melhorar as comunicações entre desenvolvedores do kernel, por meio de comunidades open source mais cordiais, colaborativas e receptivas. Ela é criadora e ex-administradora do driver controlador de host do Linux USB 3.0. Além disso, desenvolveu software e hardware amador e open source para um foguete, construído pela Portland State Aerospace Society, e software open source para ativar os sistemas de água automatizados do seu próprio jardim.

Vencedora do Women in Open Source Academic Award de 2015

Kesha Shah

Kesha, estudante em tempo integral, venceu na categoria Academic por seu excelente trabalho de criação de código e mentoria durante os seus estudos de tecnologia da informação e comunicação. Em suas muitas participações no programa Google Summer of Code, Kesha contribuiu com três organizações open source: Systers - Anita Borg Institute, BRL-CAD e STEPcode. Ela também foi mentora nos programas Season Of KDE, Learn IT Girls! e Google Code-In, ajudando estudantes pré-universitários do mundo todo a desenvolver suas primeiras contribuições para o open source. Atualmente, ela é diretora da ONG Women Who Code em Gujarat. Shah recebeu a prestigiada bolsa de estudos Google Anita Borg Memorial para a região Ásia-Pacifico. Além disso, foi a vencedora do Anita Borg Pass It On por ensinar computação básica e tecnologia de smartphones para mulheres de meia-idade, especialmente mães, em sua província. Ela ainda acompanhou diversas contribuições iniciais de estudantes para o desenvolvimento do open source e os orientou para que se tornassem contribuidores regulares.

Conheça nossas finalistas de 2015

Community Award

Shauna Gordon-McKeon
Diretora de programação na OpenHatch
Elizabeth K. Joseph
Engenheira de sistemas na HP
Deb Nicholson
Diretora de difusão da diversidade na MediaGoblin
Karen Sandler
Diretora executiva, Software Freedom Conservancy

Academic Award

Charul
Indian Institute of Information Technology, Allahabad
Sophia D’Antoine
Estudante do Instituto Politécnico Rensselaer
Estuda ciência da computação e engenharia de sistemas de informática, bacharelado e mestrado
Emily Dunham
Universidade do Estado de Oregon
Estuda ciência da computação
Netha Hussain
Estudante de Medicina e Cirurgia Government no Medical College, Kozhikode, da Universidade de Calicute
.

Agradecemos a todas as participantes deste ano


Faça o download das regras completas de 2020 (PDF) do Women in Open Source Award.