Login / Registre-se Account

Quais oportunidades e desafios os operadores vão enfrentar para implantar redes de acesso via rádio virtualizadas (vRANs) em suas infraestruturas 4G e suas futuras implantações de 5G? Como tecnologias de container e nativas em cloud impactarão planos vRAN? 

A Heavy Reading explorou estes problemas em uma recente pesquisa patrocinada pela Red Hat. O assunto da pesquisa e os resultados foram apresentados em um webinar, disponível sob-demanda aqui. 

A pesquisa descobriu que as empresas provedoras de serviços de telecomunicações (telcos) vão migrar para rapidamente para o 5G, com seu serviços de baixa latência, maior banda larga e enormes funcionalidades para Internet das Coisas (IoT). Respondentes esperam que a penetração do 5G aumente significativamente em suas respectivas redes de operadoras e que as soluções sejam nativas em cloud. Atualmente, uma parte pequena da infraestrutura vRAN 5G é containerizada, mas quase 75% dos respondentes acreditam que pelo menos metade de sua infraestrutura vRAN 5G será containerizada em dois anos. Os dados também indicam que implementações 4G vão atingir o pico em dois anos, mas em um nível mais reduzido porque as operadoras vão começar a transição do 4G para o 5G, mesmo que ainda estejam substituindo o 3G mais antigo pelo 4G.

Atualmente há poucas implementações 5G e estas que existem servem principalmente a novos casos de uso. Como ilustrado na pesquisa, algumas empresas de telecomunicações tomaram medidas em direção ao 5G simplesmente para evitar ser o último fornecedor a oferecer esta funcionalidade. Hoje, novas unidades de rádio 5G estão sendo implantadas em torres de rádio, mas a estrutura principal da rede permanece firme com o 4G LTE. As empresas de telecomunicações conseguiram obter funcionalidades com latências muito baixas usando redes 4G com virtualização e usando a mesma arquitetura RAN dividida como no 5G. Então, eles não têm que esperar pela resolução de questões relacionadas ao 5G – como o espectro, custos, segurança, privacidade (ou a falta dela). 

Também olhando para o futuro, cerca de 40% dos respondentes pretendem implementar vRAN dentro de um ou dois anos, um crescimento em relação a um quinto que já o fizeram. Então pouco menos de 10% estão se movendo mais rápido rumo à vRAN, com planos de colocar a tecnologia em ação em menos de um ano. O crescimento das implantações faz sentido. De acordo com os apresentadores do webinar, apenas alguns anos atrás, as análises de telecomunicações indicavam que implementar a tecnologia não seria rentável. Agora, elas obtiveram um conhecimento muito melhor de performance de infraestrutura em ambientes virtualizados e estão muito melhor preparados para ajustar sistemas e implantar vRAN de forma mais barata. 

vRAN em crescimento 

Cinquenta e nove por cento dos respondentes implantaram vRANs, com 28% fazendo-o apenas em redes 4G LTE contra 17% no 5G. Cerca de 48% das implantações vRAN estão ou estarão tanto na infraestrutura de RAN existente como na atual, enquanto muitos operadores – quase 44% – vão usar vRAN principalmente em novas implantações, mas com alguma infraestrutura de RAN existente.   

Mais de 75% dos respondentes planejam ter um quarto ou mais de sua infraestrutura 5G RAN virtualizada em apenas dois anos. Em cinco anos, 62% esperam ter implantado vRAN em mais da metade de sua rede 5G. Tecnologias nativas em cloud – microsserviços containerizados gerenciados via Kubernetes – estão entre as principais funções do 5G e serão essenciais para aumentar a velocidade, eficiência operacional e utilização de redes de provedores de serviços. O uso da tecnologia de containers está crescendo quase em paralelo às implementações 5G. Em dois anos, a maioria dos respondentes disse que entre 25% e 49% de sua infraestrutura core para o 5G usará containers e, até cinco anos após a implementação, a maioria terá entre 50% e 74% de suas funções 5G core operando em containers. 

Quaisquer que sejam os cenários, existem barreiras à implantações vRAN. As três principais perguntas dos respondentes são a falta de maturidade dos produtos (53%),  ROI incerto (45%) e falta de habilidades (42%). Mas há grande expectativa de economias com CapEx e OpEx para vRAN. Provedores de serviço, em média, esperam economizar entre 10% e 24% em cada. Isto parece realista e exequível.

Para atender às demandas dos clientes e prazos de implantação em grande escala como previsto pela pesquisa, a Red Hat está trabalhando ativamente em várias comunidades upstream para preparar a infraestrutura de software e entregar novas ferramentas para que as empresas de telecomunicações possam implantar uma blueprint nativa em cloud para 5G e vRAN.

Para mais insights, clique aqui para ler a pesquisa.


About the author

Azhar Sayeed is responsible for developing and driving End-to-End solution architecture for Red Hat's Telcos and Communication Service Providers (CSPs) customers. He contributes to implementation architectures and develops solutions for OpenStack deployment for scale and hyperconvergence.

Em destaque

Notícia do seu interesse em destaque