A Red Hat tem o prazer de anunciar a prévia de desenvolvimento do próximo lançamento principal do Red Hat OpenStack Platform: o Red Hat OpenStack Services on OpenShift*. Todos sabem que, nos últimos anos, a Red Hat vem aprimorando a integração entre o Red Hat OpenStack Platform e o Red Hat OpenShift para acelerar a escala e maximizar os recursos dos provedores de serviços. Com isso, conseguimos auxiliar as equipes que gerenciam as nuvens do OpenStack a aproveitar a experiência operacional mais moderna do OpenShift. Ao integrar o Kubernetes ao OpenStack, empresas obtêm melhorias no gerenciamento e escalabilidade de recursos, mais flexibilidade na nuvem híbrida, práticas simplificadas de desenvolvimento e DevOps e muito mais.

No entanto, essa mistura de tecnologias exige cuidado nas fases de planejamento e configuração para otimizar a interoperabilidade entre as duas plataformas. É aí que entra o Red Hat OpenStack Services on OpenShift. Assim, os clientes não perdem o investimento que fizeram nas APIs do OpenStack, como Nova, Swift, Cinder, Neutron, Keystone etc. Com isso, eles reduzem os custos de gerenciamento e modernizam a posição operacional com a inclusão de novos projetos de container. Essa mudança não os obriga a reescrever ou alterar as cargas de trabalho existentes do OpenStack. Para ficar ainda melhor, com essa nova arquitetura, eles não precisam mexer nos nós de trabalho do OpenStack. O control plane do OpenStack é migrado e transformado em uma carga de trabalho do OpenShift sem interferir nos nós de trabalho do OpenStack. Com o passar do tempo, esses nós de trabalho vão funcionar como sempre, sendo atualizados conforme o ciclo de vida do OpenStack.

A Red Hat está oferecendo aos clientes do OpenStack um caminho para preparar os investimentos atuais para o futuro. O Red Hat OpenStack Services on OpenShift facilita as instalações, acelera as implantações e oferece gerenciamento unificado do núcleo à edge.  Essas três grandes melhorias vieram diretamente do feedback de clientes. O Red Hat OpenStack Services on OpenShift também oferece:

  • Mais flexibilidade: execução conjunta de aplicações bare-metal, virtualizadas e em containers. Os clientes executam o que mais faz sentido para suas empresas, em qualquer momento da jornada de transformação de TI;
  • Processamento paralelo rápido: para implantações ágeis e reproduzíveis usando o Red Hat Ansible Automation Platform e o OpenShift Go Operators para redução de tempo, complexidade e riscos;
  • Escalabilidade: gerenciamento feito por um novo control plane em pod (um conjunto de ferramentas para implantar e gerenciar um control plane do OpenStack como pods nativos do Kubernetes);
  • Melhorias na experiência de atualizações e upgrades: uso de atualizações/recursos contínuos incluídos no Red Hat OpenShift para oferecer um método simples e confiável de atualizar serviços em pod do OpenStack e manter a alta disponibilidade;
  • Mais segurança: comunicações criptografadas entre serviços, cache de memória criptografado e controle de acesso baseado em função seguro para oferecer um modelo de segurança padrão mais alto;
  • OpenStack Observability: ajuda os clientes a entender melhor a integridade da nuvem híbrida. Dashboards atualizados oferecem observabilidade unificada com um conjunto avançado de visualizações nativamente integradas à interface do Openshift Observability. Os clientes também podem criar os próprios dashboards para aprimorar ainda mais suas necessidades de observabilidade.   

O que vem pela frente?

No futuro, como parte da oferta, o Red Hat OpenStack Services on OpenShift será baseado apenas no formato de última geração, com o control plane hospedado nativamente no Red Hat OpenShift e o plano de dados externo baseado no Red Hat Enterprise Linux gerenciado com Red Hat Ansible Automation Platform. O Red Hat OpenStack Platform 17.1 é a última versão da solução a usar o formato clássico do control plane, que pode ser executado em bare-metal ou virtualizado, com gerenciamento fornecido pelo OpenStack Director. O suporte para os formatos clássicos estará disponível até o final do ciclo de vida 17.1 (2027). Os clientes que desejam migrar poderão implantar o novo controlador no OpenShift para assumir o controle dos recursos de computação sem precisar reimplantar as cargas de trabalho em execução. 

O compromisso e o investimento da Red Hat no OpenStack continuam fortes. Somos a principal colaboradora em termos de commits e contamos com mais de 250 engenheiros que continuam a liderar a inovação tanto no projeto como na solução. O OpenStack continua a ser um componente vital para grandes infraestruturas de TI, especialmente nas áreas de telecomunicações e provedores de serviços. Essa evolução melhorará como as empresas implantam, gerenciam e mantêm suas áreas de ocupação do OpenStack. Se você estiver interessado, entre em contato diretamente com seu representante de vendas da Red Hat para saber mais sobre o Red Hat OpenStack Services on OpenShift e seja um dos primeiros a experimentar esta próxima etapa.

*O novo nome foi aprovado, mas poderá ser chamado de Red Hat OpenStack Platform 18 no Portal do Cliente Red Hat. As versões atualmente oferecidas e compatíveis do OpenStack ainda seguem a marca existente.

O logotipo e nome OPENSTACK são marcas registradas da OpenInfra Foundation, usadas sob licença.