Login / Registre-se Account

TÓPICO

Introdução à edge computing

Com a cloud computing, muitas organizações passaram a centralizar os seus serviços em grandes datacenters. No entanto, as novas experiências de usuário final, como a Internet das Coisas (IoT), exigem que o provisionamento de serviço seja mais próximo das "bordas" de uma rede, onde os dispositivos físicos estão.

O que é a edge computing?

Em um modelo de cloud computing, os serviços e os recursos de computação muitas vezes são centralizados em grandes datacenters, que são acessados por usuários finais na "borda" da rede. Esse modelo comprovou ter vantagens de custo e mais eficiência no compartilhamento de recursos. No entanto, as novas formas de experiência de usuário final, como a IoT, precisam de capacidade computacional mais próxima de um dispositivo físico ou de uma fonte de dados que realmente exista, ou seja, na "borda" da rede.

Em resposta a isso, a computação de borda se refere a um modelo que distribui recursos de computação para a "borda" de uma rede quando necessário, enquanto continua centralizando os recursos em um modelo de nuvem, quando possível. Trata-se de uma solução para a necessidade de fornecer insights acionáveis com rapidez com base em dados temporários.

Quais são os principais casos de uso da edge computing?

A edge computing complementa os modelos de computação híbrida, especialmente naqueles em que a computação centralizada é usada em:

  • computação de cargas de trabalho intensivas
  • armazenamento e agregação de dados
  • inteligência artificial/aprendizado de máquina
  • coordenação de operações entre regiões
  • processamento tradicional de back-end

Com a edge computing, você também resolve problemas na fonte de dados em tempo quase real. Resumindo, quando a redução da latência e/ou o monitoramento em tempo real são compatíveis com os objetivos dos seus negócios, há um caso de uso da edge computing.

Internet das Coisas (IoT)

Os dispositivos de IoT realizam várias tarefas de rede internas para receber e resolver uma solicitação. Quanto maior a capacidade de computação disponível no dispositivo, ou pelo menos mais perto dele na rede, melhor a experiência do usuário.

Tecnologias mobile

Os problemas relacionados à computação mobile muitas vezes são baixa latência ou falhas no serviço. A edge computing reduz os atrasos da propagação de sinais, o que resolve as restrições rigorosas de latência. Ela também limita as falhas a uma área menor ou a um grupo de usuários, além de fornecer continuidade do serviço quando a conectividade de rede é intermitente.

Telecomunicações

À medida que os provedores de serviços de telecomunicação modernizam suas redes, eles migram as cargas de trabalho e os serviços da rede principal (em datacenters) para a borda, ou seja, nos arredores dos pontos de presença e escritórios centrais. Para que os provedores de serviços possam fazer implantações na borda da rede, é necessário virtualizar os escritórios centrais, que são uma das últimas interfaces físicas para a entrega de serviços.

Continue explorando a edge computing

Icon-Red_Hat-Documents-Paper_Lined-A-Black-RGBAnalyst paper

ACG Research: Transformation and Opportunity at the Service Provider Edge

Icon-Red_Hat-Documents-Paper_Lined-A-Black-RGBChecklist

Cinco motivos para adotar uma infraestrutura hiperconvergente aberta

Icon-Red_Hat-Media_and_documents-Video-A-Black-RGBVídeo

Edge computing com o Red Hat OpenStack Platform

Sua base open source para a edge computing

Nenhum fornecedor é capaz de oferecer uma solução de edge computing completa. Na verdade, você monta uma solução a partir de vários componentes. Com plataformas open source, você tem interoperabilidade em um vasto ecossistema sem depender de um stack de tecnologia proprietário de um fornecedor. E, para habilitar novos casos de uso de edge computing, a Red Hat está investindo em comunidades upstream open source, como o Kubernetes, OpenStack e Fedora IoT.