Account Login
Jump to section

O que é virtualização de rede?

Copiar URL

Virtualização de rede é a transformação de uma rede que antes dependia do hardware em uma rede baseada em software. Como todas as formas de virtualização de TI, o objetivo básico da virtualização de rede é inserir uma camada de abstração entre o hardware físico e as atividades que utilizam o hardware.

Mais especificamente, a virtualização de rede permite que funções de rede, recursos de hardware e recursos de software sejam entregues independentemente do hardware, como uma rede virtual. Ela pode ser usada para consolidar muitas redes físicas, subdividir uma dessas redes ou conectar máquinas virtuais (VMs).

Isso pode otimizar como os provedores de serviços digitais usam os recursos de servidor (ou seja, servidores menos ociosos) e permitir que utilizem servidores padrão para funções que antes exigiam hardware proprietário caro, além de melhorar a velocidade, flexibilidade e confiabilidade das redes.

Há dois tipos de virtualização de rede: a externa e a interna. A virtualização de rede externa pode combinar sistemas fisicamente ligados à mesma rede local (LAN) em redes locais virtuais (VLANs) separadas, ou o contrário, dividir LANs separadas na mesma VLAN. Isso permite aos provedores de serviços melhorar a eficiência de uma grande rede.

Ao contrário da virtualização de rede externa que atua em sistemas fora de um único servidor, a virtualização de rede interna atua dentro de um servidor para simular uma rede física. Normalmente, o objetivo é melhorar a eficiência de um servidor, e isso envolve a configuração de um servidor com containers de software. Com os containers, as aplicações individuais podem ser isoladas ou diferentes sistemas operacionais podem ser executados no mesmo servidor.

A virtualização da rede envia todos os elementos da infraestrutura de TI (computação, rede e armazenamento) para fora do hardware proprietário e os agrupa. A partir do pool, os recursos podem ser implantados automaticamente onde são mais necessários à medida que as demandas e as necessidades empresariais mudam. Isso é especialmente relevante no setor de telecomunicações, onde os provedores tradicionais precisam transformar suas redes e operações para acompanhar a inovação tecnológica.

Os novos avanços possibilitam a entrega de experiências altamente aprimoradas e otimizadas, por exemplo, o uso de realidade virtual em cirurgias remotas ou a implantação de semáforos inteligentes para agilizar o deslocamento das ambulâncias com segurança. Mas as redes que tradicionalmente dependem de hardware de muitos provedores de serviços devem ser transformadas para acomodar essa inovação. A virtualização de rede oferece a eles a agilidade de que precisam para se manterem atualizados.

Da mesma forma que os provedores de nuvem pública em hiperescala têm demonstrado como as arquiteturas nativas em nuvem e o desenvolvimento open source podem acelerar a entrega de serviços, a implantação e a iteração, os provedores de serviços de telecomunicações também podem adotar essa abordagem para operar com maior agilidade, flexibilidade, resiliência e segurança. Eles podem gerenciar a complexidade da infraestrutura por meio de automação e uma plataforma horizontal comum. Também podem atender às maiores expectativas de desempenho, segurança, ubiquidade e experiência de usuário, tanto do consumidor quanto da empresa. Com a automação e as arquiteturas nativas em nuvem, os provedores podem mudar mais rapidamente e adicionar serviços e recursos para melhor responder às necessidades e exigências dos clientes.

A maioria dos provedores de serviços digitais já fez a virtualização de funções de rede (NFV). Com esta abordagem, você:

  • Usa menos hardware e gasta menos.

  • Aumenta a flexibilidade e a portabilidade das cargas de trabalho.

  • Tem capacidade de aumentar e diminuir cargas de trabalho com facilidade.

  • Escala os recursos com flexibilidade para atender às mudanças nas demandas da rede.

Os benefícios econômicos da virtualização da infraestrutura de rede podem ser significativos, e a rede de acesso por rádio (RAN) representa uma grande oportunidade de transformação para os provedores de serviços. A ACG Research estima que os operadores de rede que virtualizam toda a RAN podem ter uma economia de custo total de propriedade (TCO) de 44%.

A Red Hat oferece uma solução de nível de operadoras baseada em open source: a Red Hat Solution for NFV. Essa solução ajuda os provedores de serviços de comunicação (CSP) a alcançar a convergência de TI e rede, adicionando recursos de NFV a serem disponibilizados em soluções open source existentes, como o Red Hat®️ OpenStack®️ Platform.

Leitura recomendada

ARTIGO

Diferença entre containers e máquinas virtuais (VMs)

Containers Linux e máquinas virtuais são ambientes de computação empacotados que combinam diversos componentes de TI e os isolam do restante do sistema.

ARTIGO

O que é uma máquina virtual (VM)?

Uma máquina virtual (VM) ou virtual machine é um ambiente de computação isolado, criado a partir da abstração de recursos de uma máquina física.

ARTIGO

O que é KVM?

As máquinas virtuais baseadas em Kernel (KVM) são uma tecnologia de virtualização open source que transforma o Linux em um hipervisor.

Leia mais sobre virtualização

Soluções Red Hat

Red Hat OpenShift Container Platform

Uma base consistente de nuvem híbrida para criar e escalar aplicações em containers.

Red Hat Openstack Platform

Uma plataforma que virtualiza o hardware e organiza esses recursos em nuvens.

Conteúdo adicional

Datasheet

Red Hat Virtualization

Uma base aberta e ágil preparada para o futuro da TI.

Checklist

Cinco motivos para adotar uma infraestrutura hiperconvergente open source

Uma infraestrutura hiperconvergente open source oferece computação e armazenamento definidos por software e integrados em uma solução única.

Treinamentos Red Hat

Treinamento gratuito

Virtualization and Infrastructure Migration Technical Overview

Illustration - mail

Quer receber mais conteúdo deste tipo?

Cadastre-se para receber a nossa newsletter Red Hat Shares.