Em 2023, a Red Hat se reuniu com muitos clientes e parceiros. Entre interações em eventos do setor e reuniões individuais até visitas internacionais e calls, aprendemos muito com nosso confiável ecossistema. Depois de criar tantas conexões duradouras e lançar muitos projetos novos, mal podemos esperar para ver o que este ano vai trazer. Neste momento em que olhamos para 2024 e estamos prestes a nos reunir novamente no MWC Barcelona, eu gostaria de refletir sobre o que aprendemos para deixar nossos clientes prontos para o sucesso em 2024.

O que é mais importante para os provedores de serviços? Para quais situações toda a indústria das telecomunicações deveria estar preparada? Como a Red Hat pode ajudar? O que o ecossistema precisa fazer para transformar as visões em realidade? Embora seja impossível fornecer uma resposta completa a todas estas questões – dado que a indústria das telecomunicações é vibrante e está em constante mudança – existem vários projetos interessantes em curso que, na minha opinião, deveríamos explorar.

A IA ainda lidera os debates

Neste começo de 2024, a adoção da inteligência artificial (IA) deve atingir novos patamares, transformando as indústrias e remodelando os cenários empresariais. A natureza distribuída das redes de telecomunicações, juntamente com a soberania dos dados, cria uma abertura para a IA ajudar a navegar pela complexidade e automatizar os ciclos de vida da rede de forma mais eficiente. Agora, os provedores de serviços podem aproveitar modelos de IA nas redes. Por exemplo, pense nas redes de acesso via rádio (RAN) – os provedores de serviços podem aproveitar modelos de IA na RAN e no núcleo para um controle mais dinâmico das frequências, setores, células e estações-base para ir além dos presets de horário do dia. A IA também vai ajudar a simplificar e agilizar as operações ao analisar a causa raiz em tempo real, reduzindo o tempo médio de reparos.

Além disso, limites difusos entre redes de nuvem, core, edge e TI estão levando provedores de serviço a adotar uma abordagem holística que unifica práticas de gestão e aproveita tecnologias compartilhadas. Isto inclui IA, ML, AIOps e IA generativa.

Espera-se que a IA preditiva e generativa desempenhem um grande papel no aumento da produtividade dos desenvolvedores. Ainda é muito cedo para determinar como a IA funcionará neste contexto e o que as organizações precisarão fazer para dar suporte aos requisitos de segurança, privacidade e compliance, mas vemos um futuro em que haverá um assistente de código de IA ao lado dos desenvolvedores em todas as fases do ciclo de desenvolvimento.

Mais atenção à segurança dos sistemas e ao gerenciamento de riscos

As redes desagregadas dos provedores de serviços e a transformação de TI criam camadas bem definidas usando princípios de design nativos da nuvem. Esta é uma oportunidade para pensar holisticamente sobre uma defesa profunda, ou segurança em todas as camadas, que começa no hardware, se estende pelo software da plataforma e protege as aplicações exatamente onde elas expõem uma interface que amplia a superfície de ataque. Isso equilibra um maior foco na segurança, mantendo a agilidade e possibilitando a simplificação das diversas ferramentas de segurança, que muitas vezes até se sobrepõem, trazendo a segurança de forma nativa para cada camada. A cibersegurança e a resiliência vão além da proteção reativa até à proteção proativa que inclui a cadeia de fornecimento e a automatização para preparação, resposta e recuperação quando ocorrem incidentes. Embora os fundamentos permaneçam inalterados, as novas arquiteturas, modelos de negócios e paradigmas operacionais permitem esta abordagem abrangente e proativa à segurança de sistemas e ao gerenciamento de riscos.

Esforçando-se para equilibrar a dinâmica e o risco do mercado, os prestadores de serviços irão recorrer a SaaS e a ofertas sob demanda de hiperscaladores e fornecedores de software para acelerar a inovação antes da implementação destas funcionalidades em escala. Os provedores de serviços negociaram grandes acordos de gastos comprometidos com vários provedores de nuvem, principalmente para aplicações de negócios digitais. Eles também estão considerando esses provedores para operação modernizada e sistemas de suporte comercial (OSS/BSS), bem como

casos de uso de rede específicos com cautela adicional, dados os requisitos dos provedores de serviços em termos de eficiência operacional, segurança, abrangência de controle e economia em escala. Uma maneira de atender a esses requisitos é com uma plataforma de aplicações em nuvem híbrida (como o Red Hat OpenShift) para fornecer consistência em qualquer nuvem. Muitos provedores de serviços tentarão incorporar a elasticidade e a escala dos recursos de nuvem pública em seus próprios ambientes e também poderão optar por criar ofertas específicas de MEC e de edge por meio de vários acordos de parceria para buscar oportunidades de soluções geográficas e industriais.

Sustentabilidade ainda é uma grande preocupação

A sustentabilidade ganhou enorme atenção em todo o mundo, impulsionada por pressões regulatórias, expectativas dos stakeholders e pela necessidade premente de mitigar o aumento dos custos de energia. O fato que a indústria das telecomunicações usa de 2% a 3% do consumo global de energia e os datacenters que utilizam aproximadamente 2% da energia mundial ressaltam a sua importância. Os prestadores de serviços alocam substanciais 20% a 40% dos custos operacionais para despesas de energia. A convergência entre o aumento da demanda por tráfego, o aumento dos preços da energia e metas ambiciosas de sustentabilidade representa um desafio formidável. Na era da computação em nuvem, a sustentabilidade permeia diversas facetas, influenciando a arquitetura do sistema, desde o design do chip até o desenvolvimento de aplicações e redes de acesso via rádio. Este compromisso com a sustentabilidade estende-se profundamente à cadeia de fornecimento, obrigando os prestadores de serviços a exercer pressão sobre os fornecedores para que considerem as pegadas de carbono, especialmente em relação ao hardware e software da infraestrutura de rede.

A fim de aumentar a sua confiabilidade em escala e, ao mesmo tempo, melhorar a sua pegada líquida de carbono, os prestadores de serviços irão procurar medir e automatizar a medição e o controle do seu consumo de energia e resfriamento utilizando hardware, software e modelos de IA inovadores – especialmente na RAN, mas também nas suas implantações de core, datacenter e nuvem híbrida.

Aumento da receita e redução dos custos operacionais continuam a ser preocupações essenciais

Os provedores de serviços enfrentam desafios significativos de capex e opex à medida que continuam a investir para se manterem competitivos:

  • Modernizando os recursos legados de TI e de rede
  • Alcance de fibra expandido
  • Redes 5G core para novas ofertas de serviços
  • Expandindo as estruturas de RAN para melhor desempenho

Com estas iniciativas e desafios em mente, o foco dos prestadores de serviços será adotar a automação inteligente e as tecnologias de IA. O objetivo final é melhorar a eficiência operacional e de negócios em rede, segurança, infraestrutura e aplicações em um ambiente híbrido/multinuvem.

A redução de despesas operacionais tem estado no topo da lista dos provedores de serviços de TI há muitos anos e permanecerá lá. Isso ocorre devido ao aumento das taxas de juros, o que encarece o capital para novos projetos, bem como cumprir as obrigações existentes com os equipamentos de rede existentes. O imperativo de cortar custos é considerado vital para desbloquear fundos para apoiar novos investimentos.

As atuais incertezas do mercado, influenciadas por potenciais recessões e tensões geopolíticas, estão gerando um ambiente sensível ao risco. Isto exige uma melhoria estratégica da eficiência e da produtividade por meio da inovação de software, especialmente para aqueles que estão no caminho da transformação digital.

Haverá maior colaboração entre fabricantes e prestadores de serviços com o surgimento das redes privadas 5G e da edge computing

Este ano, no evento Open5G da Red Hat, conversamos com Yesmean Luk, líder de prática de redes privadas da STL Partners, sobre oportunidades de edge empresarial e redes privadas. Ela disse: “redes privadas e edge computing são duas tecnologias intrinsecamente ligadas que estão preparadas para melhorar o desempenho das aplicações e permitir o processamento de grandes quantidades de dados em tempo real”.

Os provedores de serviços estão perfeitamente posicionados para ajudar os fabricantes a lidar com o enorme aumento no volume de dados gerados por máquinas. Isso pode levar a uma tomada de decisão mais rápida, conectividade mais segura e confiável, análises, aplicações/serviços habilitados para IA e muito mais. Câmeras de vídeo, robótica, correias transportadoras e uma série de outros dispositivos remotos podem se conectar por meio de redes sem fio 5G privadas e cada dispositivo possui uma aplicação de edge com um modelo de IA/ML integrado que ajuda na inferência e na tomada de decisões rápidas.

A Red Hat já está trabalhando com clientes e nossos parceiros de ecossistema para ajudar a implementar essas redes 5G privadas para obter maior redução de custos, manutenção preventiva em tempo real, autossuficiência energética, eficiência operacional, mais flexibilidade e mais rapidez para lançar produtos no mercado.

A demanda por flexibilidade na nuvem crescerá

Após um período de rápidas migrações para a nuvem para melhorar os resultados econômicos, a realidade se impôs. Os prestadores de serviços obtiveram uma compreensão diferenciada dos custos reais associados à operação em múltiplas nuvens. Esta consciência, juntamente com os novos requisitos regulatórios e a evolução das estratégias empresariais, leva a uma reavaliação das estratégias de nuvem. Embora não haja uma mudança generalizada na adoção da nuvem pública (devido às vantagens econômicas), espera-se nuances na continuação. O destaque está na flexibilidade da carga de trabalho para mitigar a fragmentação e alinhar-se com as mudanças nos principais indicadores de desempenho (KPIs) regulatórios, financeiros, operacionais e de negócios.

2024: construa para a inteligência, construa para a edge, construa para o agora

Em 2024, o cenário dos prestadores de serviços promete ser dinâmico, marcado por oportunidades significativas. Na Red Hat, estamos ansiosos para navegar nestas águas ao lado de nossos valiosos clientes, ajudando-os a lidar com o aumento dos custos, crescentes ameaças à segurança cibernética e um boom na inovação de TI.

Os provedores de serviços que modernizaram as redes e a TI com tecnologias da Red Hat viram seus negócios florescerem, mantendo os custos sob controle, como a capacidade de lançar novas aplicações 50% mais rápido e reduzir os custos de desenvolvimento e operações de IA em 70%.

O portfólio da Red Hat oferece recursos de segurança integrados e ampla automação, enquanto nossas práticas confiáveis de cadeia de fornecimento de software ajudam a reduzir o risco nas aplicações subjacentes e nas plataformas de nuvem. Holisticamente, isto serve para fortalecer a postura geral de segurança das implantações dos provedores de serviços sem remover a capacidade de inovação.

A Red Hat e seu extenso ecossistema de parceiros ajudam os provedores de serviços a assumir o controle de seus crescentes recursos de nuvens públicas, privadas e híbridas, ganhando mais visibilidade e flexibilidade operacional para implementar estratégias de inovação que funcionem melhor para eles. As plataformas da Red Hat facilitam o desenvolvimento e a implantação da IA, da edge ao core e à nuvem híbrida. E para ajudar os provedores de serviços a operar com maior eficiência energética, a Red Hat está trabalhando com a comunidade open source, parceiros e clientes para definir e construir uma arquitetura sustentável em um ambiente nativo da nuvem.

Estamos empolgados para falar com vocês sobre seus projetos, então junte-se a nós no MWC Barcelona 2024


About the author

Chris Wright is senior vice president and chief technology officer (CTO) at Red Hat. Wright leads the Office of the CTO, which is responsible for incubating emerging technologies and developing forward-looking perspectives on innovations such as artificial intelligence, cloud computing, distributed storage, software defined networking and network functions virtualization, containers, automation and continuous delivery, and distributed ledger.

Read full bio