Contato
Account Login
Jump to section

O que é SRE (engenharia de confiabilidade de sites)?

Copiar URL

Engenharia de confiabilidade de sites (SRE) é uma abordagem da engenharia de software às operações de TI. As equipes de SRE usam software como uma ferramenta para gerenciar sistemas, solucionar problemas e automatizar tarefas operacionais.

Na abordagem de SRE, as tarefas que historicamente eram realizadas pelas equipes de operações, muitas vezes manualmente, passam a ser delegadas a engenheiros ou equipes de operações que usam software e automação para solucionar problemas e gerenciar sistemas de produção. 

A prática de SRE é muito útil sobretudo na criação de sistemas de software escaláveis e altamente confiáveis. Ela ajuda a  gerenciar sistemas extensos por meio do código, o que é mais escalável e viável para administradores de sistemas que administram centenas ou milhares de máquinas. 

O conceito de engenharia de confiabilidade de sites foi criado pela equipe de engenharia do Google e é atribuído a Ben Treynor Sloss. 

A abordagem de SRE ajuda as equipes a encontrar um equilíbrio entre lançar novas funcionalidades e assegurar que elas sejam confiáveis para os usuários.

Padronização e automação são dois componentes importantes do modelo de SRE. Aqui os engenheiros de confiabilidade de sites buscam sempre uma maneira de aprimorar e automatizar as tarefas operacionais.

Dessa forma, a SRE ajuda a melhorar a confiabilidade do sistema hoje e à medida que cresce ao longo do tempo. 

As práticas de SRE facilitam o trabalho das equipes que estão migrando as operações de TI da abordagem mais tradicional para uma abordagem nativa em nuvem.

A função do engenheiro de confiabilidade de sites é singular e requer experiência com administração de sistemas, desenvolvimento de software com uma base adicional em operações ou alguém em uma função de operações de TI que também tenha habilidades de desenvolvimento de software. 

As equipes de SRE são responsáveis pela maneira como o código é implantado, configurado e monitorado, bem como pela disponibilidade, latência, gerenciamento de mudanças, resposta a emergências e gerenciamento de capacidade dos serviços em produção.

As equipes de SRE determinam o lançamento de novas funcionalidades usando acordos de nível de serviço (SLAs) para definir a confiabilidade obrigatória do sistema por meio de indicadores de nível de serviço (SLI) e objetivos de nível de serviço (SLO). 

O SLI mede aspectos específicos dos níveis de serviços oferecidos. Os principais indicadores incluem latência de solicitação, disponibilidade, taxa de erro e capacidade do sistema. O SLO é baseado no intervalo ou valor desejado para um nível de serviço com base no SLI.

Um SLO para a confiabilidade exigida do sistema é então baseado no downtime determinado como aceitável. Esse nível de downtime é chamado de "orçamento de erro", o limite máximo permitido para erros e interrupções. 

Na abordagem de SRE, não se espera que haja 100% de confiabilidade, mas as falhas são planejadas e esperadas.

Uma vez já estabelecida, a equipe de desenvolvimento pode "gastar" o orçamento de erro ao lançar uma funcionalidade nova. Com base no SLO e no orçamento de erro disponível, a equipe determina se é viável ou não lançar uma certa solução ou serviço.

Se um serviço em execução está dentro desse orçamento, então, a equipe de desenvolvimento pode lançar esse serviço quando desejar. No entanto, se o sistema apresentar muitos erros ou permanecer inativo por um tempo maior do que o permitido pelo orçamento de erro, nenhum lançamento novo deverá ser realizado até que as falhas estejam dentro do parâmetro.   

A equipe de desenvolvimento conduz testes automatizados nas operações para demonstrar a confiabilidade. 

Os engenheiros de confiabilidade de sites dividem seu tempo entre a execução de tarefas operacionais e o trabalho em projetos. De acordo com as práticas recomendadas pelo Google para SRE, os engenheiros de confiabilidade de sites só podem passar no máximo 50% do tempo trabalhando nas operações, o que deve ser monitorado para assegurar que essa porcentagem não seja ultrapassada.  

O restante do tempo é gasto em tarefas de desenvolvimento, como criação de funcionalidades novas, escalonamento do sistema e implementação da automação.

O excesso de trabalho operacional e o baixo desempenho dos serviços podem ser redirecionados para que a equipe de desenvolvimento solucione esses problemas. Assim, o engenheiro de confiabilidade de sites não passa tanto tempo nas operações de uma aplicação ou um serviço. 

A automação é uma parte importante da função do engenheiro de confiabilidade de sites. Se eles estiverem enfrentando um problema que se repete, então devem criar uma solução automatizada. 

Manter o equilíbrio entre o trabalho operacional e de desenvolvimento é essencial na abordagem de SRE. 

A metodologia DevOps é uma abordagem de cultura, automação e design de plataforma que tem como objetivo agregar mais valor aos negócios e aumentar a capacidade de resposta às mudanças por meio de entregas de serviços rápidas e de alta qualidade. A SRE pode ser considerada uma forma de implementar a metodologia DevOps.

Assim como o DevOps, a SRE tem como foco a cultura e os relacionamentos. Ambas as abordagens têm como objetivo aproximar as equipes de operações e desenvolvimento para acelerar a entrega de serviços. 

Ciclos de desenvolvimento mais rápidos, melhor qualidade de serviço, maior confiabilidade e redução no tempo gasto pela TI em cada aplicação desenvolvida são alguns dos possíveis benefícios alcançáveis com as práticas de DevOps e SRE.

No entanto, a SRE é diferente do DevOps porque depende dos engenheiros de confiabilidade de sites da equipe de desenvolvimento que também têm experiência em operações de TI para eliminar problemas de comunicação e fluxo de trabalho.

A função do engenheiro de confiabilidade de sites combina as habilidades das equipes de desenvolvimento com as de operações porque tem responsabilidades que abrangem ambas as áreas. 

A SRE pode ajudar as equipes de DevOps cujos desenvolvedores estão sobrecarregados com as tarefas operacionais e precisam de alguém com habilidades mais especializadas nessa área. 

Ao codificar e criar novas funcionalidades, o DevOps se concentra em percorrer o pipeline de desenvolvimento de modo eficiente. Já a abordagem de SRE se concentra no equilíbrio entre os esforços de manter a confiabilidade de sites e a criação de novas funcionalidades. 

As plataformas de aplicações modernas baseadas em tecnologia de containers, Kubernetes e microsserviços são essenciais para as práticas de DevOps, pois ajudam a entregar segurança e inovação nos serviços de software.

Leia mais sobre DevOps no Red Hat Developer

A abordagem de SRE depende da automação de tarefas operacionais rotineiras e da padronização de todo o ciclo de vida das aplicaçõesO Red Hat® Ansible® Automation Platform é uma plataforma abrangente e integrada que ajuda as equipes de SRE a automatizar para ter velocidade, colaboração e crescimento, além de oferecer segurança e suporte em todas as funções técnicas, operacionais e financeiras da empresa. 

O Ansible Automation Platform oferece especificamente: 

  • Orquestração de infraestrutura na nuvem e on-premise para instâncias, roteamento, balanceamento de carga, firewalls e muito mais. 
  • Otimização de infraestrutura, incluindo recursos de nuvem de tamanho certo e adição ou remoção de recursos como unidade de processamento central (CPU) e memória de acesso aleatório (RAM), conforme necessário. 
  • Operações na nuvem, incluindo implantações de aplicações com pipelines de entrega e integração contínuas (CI/CD), aplicação de patches no sistema operacional e manutenção.
  • Continuidade de negócios, com movimentação e cópia de recursos da nuvem, criação e gerenciamento de políticas para backups e gerenciamento de interrupções e falhas.
A SRE também conta com uma base projetada para um estilo de desenvolvimento nativo em nuvem. Os containers Linux® dão suporte a um ambiente unificado para desenvolvimento, entrega, integração e automação.

O Kubernetes é o meio mais moderno de automatizar as operações de containers Linux. Ele ajuda as equipes a gerenciar com mais eficiência os clusters que executam containers Linux em nuvens públicas, privadas e híbridas.

Como uma plataforma Kubernetes pronta para empresas que oferece suporte a iniciativas de SRE, o Red Hat® OpenShift® ajuda as equipes a implementar a cultura e a transformação de processos que modernizam a infraestrutura de TI e posiciona as organizações para atender melhor seus clientes e atingir as metas de negócios. 

Leitura recomendada

ARTIGO

O que é DevSecOps?

Se você quiser aproveitar ao máximo a agilidade e a capacidade de resposta do DevOps, a equipe de segurança da TI precisará participar de todo o ciclo de vida das suas aplicações.

ARTIGO

O que é CI/CD?

A prática de CI/CD aplica monitoramento e automação contínuos a todo o ciclo de vida das aplicações, desde as etapas de teste e integração até a entrega e a implantação.

ARTIGO

O que faz o engenheiro de DevOps?

O engenheiro de DevOps é um profissional que reúne uma combinação única de habilidades e tem o conhecimento especializado para promover mudanças em termos de colaboração, inovação e cultura dentro da empresa.  

Leia mais sobre DevOps

Soluções Red Hat

Um programa de residência imersiva com especialistas da Red Hat, no qual você aprende a usar uma metodologia ágil e ferramentas open source para solucionar problemas empresariais.

Os consultores estratégicos da Red Hat fornecem uma visão geral da sua organização, analisam os desafios e ajudam a superá-los com soluções abrangentes e econômicas.

Conteúdo adicional

Checklist

Automação empresarial com uma metodologia DevOps

Whitepaper

Otimize pipelines de CI/CD com o Red Hat Ansible Automation Platform

Illustration - mail

Quer receber mais conteúdo deste tipo?

Cadastre-se para receber a nossa newsletter Red Hat Shares.